Conteúdo para toda família

Jarbinhas diz “sim”

a pré-candidatura

Atual prefeito enfatiza que cidade vive um momento muito bom

O prefeito de Guaxupé, Jarbas Corrêa Filho, do PSDB, é pré-candidato à Prefeitura de Guaxupé nas eleições desse ano. Como vice terá também o companheiro da atual gestão, o médico Heber Hamilton Quintella. Ele recebeu a reportagem da REVISTA MÍDIA em sua residência e falou sobre sua gestão e de assuntos polêmicos como Copasa e Guarda Municipal.

 

Como o senhor avalia essa pré-candidatura ? A primeira candidatura pertence a você, a sua vontade, ao seu idealismo e ao seu amor à cidade. A segunda deixa de pertencer a você. Passa pelo desejo  dos seus aliados, companheiros e da equipe de trabalho. E tem que se considerar o anseio dessas pessoas que estão com você. Quatro anos passam muito rápido e não são suficientes para realizar todo um planejamento. Fizemos várias reuniões com nosso grupo, com profissionais liberais, agricultores, empreendedores e cidadãos que me fizeram entender a importância de se dar sequência nesse bom momento que Guaxupé atravessa. O que mais me incentivou foi o apoio do meu vice, Dr Heber, com quem tenho uma relação de amizade, lealdade e, acima de tudo, de idealismo por Guaxupé. Temos muito claro todo o nosso planejamento para um possível segundo mandato.

 

SEU GOVERNO TEM SIDO MARCADO PELA TRANSPARÊNCIA E RESPONSABILIDADE COM AS CONTAS PÚBLICAS. PORÉM, ACATOU UMA RECOMENDAÇÃO DA JUSTIÇA NA QUESTÃO DA GUARDA MUNICIPAL. O QUE O SENHOR TEM A DIZER SOBRE ISSO? O que eu apliquei foi uma Lei aprovada pela Câmara Municipal que regulamentava a Guarda Municipal. Porém, o Ministério Público entendeu que a referida Lei continha falhas e que não poderiam fazer parte funcionários em cargos de confiança, mas sim, concursados. Você começa um trabalho por sua estruturação. Então, dentro do quadro de funcionários municipais, elenquei dois profissionais de confiança para avançarem com esse projeto. A Justiça entendeu que isso não estava correto mas também que em hipótese alguma houve algum tipo de crime cometido por mim enquanto prefeito. Assim, acatei uma recomendação da Justiça e toda a questão foi muito bem esclarecida sem onerar os cofres públicos. Foi o único entrave que minha gestão teve com a Justiça e que foi devidamente resolvido.

 

O SENHOR INICIOU SUA GESTÃO EM UM MOMENTO CRÍTICO DA ECONOMIA DO PAÍS E EM GUAXUPÉ NÃO É DIFERENTE. PORÉM, TODAS AS CONTAS PÚBLICAS ESTÃO EQUILIBRADAS E SALÁRIOS EM DIA, CASO MUITO DIFERENTE EM OUTRAS PREFEITURAS. COMO O SENHOR TEM VENCIDO ESSE DESAFIO? Valorizando e respeitando cada centavo dos cofres públicos.  Sempre digo que honestidade não é virtude de ninguém, mas uma obrigação do ser humano. Nós aplicamos cada centavo no seu devido lugar. Mesmo com a queda de arrecadação, como por exemplo, do ICMS - que de 2014 para 2015 caiu 16,9%, além de 8% de queda de arrecadação, que perfazem quase ¼ da arrecadação que é a principal fonte do município. Neste ano já perdemos 6% do Fundo de Participação dos Municípios. Assim, temos que procurar promover uma gestão ainda mais eficaz, fechando todas as torneiras e com decretos de contingenciamento. Fiz isso em 2015 e neste ano também. Porém, com um grande diferencial: os serviços públicos mantiveram toda sua qualidade. Nossa Educação alcançou 6,7 pontos no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica. A saúde de Guaxupé, apesar da questão  ser um problema nacional, está muito a frente de outras cidades da região e do Brasil. Há deficiências porque o investimento feito pelo Governo Federal é realizado de maneira errada. Investe apenas 15% do orçamento em Saúde e, pela lei municipal, temos que investir 23%. No meu governo, os recursos chegaram a 24,9% do nosso orçamento. É interessante observar que do total de impostos arrecadados pelo Governo Federal, 58% fica na União, 27% para os Estados e somente 15% para os municípios. As pessoas estão nas cidades e a maior parte do bolo fica com a União. Essa equação é errada.  Como se administra uma cidade com um repasse tão pequeno no lugar onde as pessoas vivem? E a comunidade clama por melhores condições de saúde e segurança pública – esta que cada dia recebe menos investimentos. Assim, analisamos cada investimento e colocamos cada verba no seu devido lugar para que a cidade avance em todos os segmentos. O que atesta esse compromisso é o que já conquistamos para a cidade, como o Corpo de Bombeiros, a estruturação do Instituto Médico Legal, a construção da sede do Procon,  construção, reforma e ampliação de três Postos de Saúde, construção da Unidade Básica de Saúde no Jardim Aviação, o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU), reformas de vários prédios públicos para deixar de pegar aluguéis, entre outros investimentos. Temos feito uma administração voltada para as necessidades de Guaxupé. E fomos além do nosso dever de casa. Realizamos muito além do que imaginávamos fazer em tempo de recessão e crise.

 

COMO ANALISA  GUAXUPÉ HOJE? Guaxupé hoje é uma cidade economicamente viável por sua infraestrutura e posição geográfica privilegiadas. Porém, muitos de nossos planejamentos esbarram na demora de aprovação do Governo Federal. Um exemplo disso é construção de 340 casas no residencial Vale Verde. A Prefeitura fez todas as suas atribuições: desapropriou e pagou a área de 170 mil m2, aderiu e a doou ao Programa Minha Casa, Minha Vida. Abrimos a licitação para a construção das casas. Fizemos a divisão dos lotes e individualizamos todas as escrituras para a apreciação da Caixa Econômica Federal que aprovou o projeto. Porém, até agora não veio o deferimento do Governo Federal. Tudo o que dependia da Prefeitura foi feito mas o Governo não fez sua parte. Por outro lado, volto a enfatizar, Guaxupé vive um momento muito bom. O índice de desemprego é menor do que a média de 10,2% do País. Isso porque nossa economia é diversificada. Nosso comércio é forte, um polo industrial sólido, uma prestação de serviços das mais qualificadas da região em todos os segmentos, uma agricultura que avança mais a cada dia - sobretudo no café. Temos empresas fortes que agregam muito valor à cidade e a Prefeitura é parceira daqueles que querem investir e gerar divisas na cidade. O Polo da Moda não tinha legalidade na parte ambiental, não tinha iluminação, tampouco água e esgoto. Hoje está devidamente pronto para que os empresários comecem a construir suas indústrias. Apesar da recessão, nossa cidade está avançando e temos que continuar. Estamos recebendo a rede de hotelaria Ibis e o Supermercado O Dia  não por um acaso, mas porque a cidade é economicamente viável para isso. São inúmeras construções cidade afora sem contar os loteamentos feitos pela iniciativa privada que devem abrigar mais de 9 mil pessoas. Somente a Prefeitura está construindo 180 casas populares, além dos 347 lotes distribuídos no residencial Conquista. Guaxupé, regionalmente, é a cidade que mais se destaca neste marasmo em que muitas estão. Todos os índices das principais publicações do País destacam isso de forma incontestável, como a Revista Exame. A Prefeitura colabora muito para isso, mas a força conjunta de nossa comunidade é que faz essa cidade avançar a cada dia. Nossa Guaxupé hoje tem credibilidade e, por isso, atrai tantos investidores.

 

É UMA INSATISFAÇÃO GERAL DA POPULAÇÃO A TAXA DE COLETA DE ESGOTO COBRADA PELA COPASA. QUAL A POSIÇÃO DO SENHOR EM RELAÇÃO A ISSO? Está passando da hora da imprensa cobrar uma atitude da Copasa sobre essa situação. Está muito confortável para a Copasa receber uma prestação de serviço que não executa e, pior,  não estão dando satisfação a ninguém. Existe uma CPI que, ao final,  não vai restituir o dinheiro para o bolso da população. E o que o prefeito pode fazer? Quem deve responder essa pergunta é o ex-prefeito Roberto Luciano (PT) que vendeu – avalizado pela maioria dos vereadores da Câmara Municipal da época.  Somente três vereadores votaram contra essa venda: Pica-Pau, Tânia Rolim e Ari Cardoso. O serviço de coleta de esgoto que é cobrado hoje da população (50% sobre o consumo de água) era feito sem custo pela Prefeitura. Nossa rede de esgoto, que era patrimônio da população, foi vendida por R$ 8,2 milhões e o então prefeito não mostrou a população onde aplicou esse dinheiro. Não estou dizendo que houve desvio, mas não conheço construção de nenhuma escola ou prédio público feita por ele. Aí você pergunta: Jarbinhas o que pode ser feito? Eu respondo. Para reincidir esse contrato a Prefeitura tem que devolver o valor pago – o qual  não temos – e acrescido de multa. Também não temos infraestrutura para fazer essa coleta porque a rede foi modificada e, por fim, a construção da Estação de Tratamento de Esgoto não foi concluída. Hoje não temos uma autarquia para assumir e realizar os serviços de forma eficaz. Então, o Prefeito Roberto e a maioria dos vereadores da gestão passada colocaram Guaxupé numa situação muito complicada. Desde 2013 temos cobrado uma atitude da Copasa que já foi notificada para que terminem em caráter de urgência a conclusão da ETE e dos demais serviços. Mas seus dirigentes não dão satisfação alguma para a comunidade, não investem absolutamente nada e recebem em dia por isso.

INSTAGRAM

Curta esta página no Facebook

Poste no seu Twitter

© EDITORA MÍDIA LTDA | Av. Conde Ribeiro do Valle, 255 | 2º Andar | Sala 8

Telefone: (35) 3551-2040 | Cep 37800-000 |  Guaxupé | MG